Tag: depilação

?Pelo encravado: saiba como lidar e prevenir?

A rotina de beleza e cuidados femininos por vezes acaba resultando em dificuldades, como o pelo encravado. Essas pequenas inflamações ocorrem com maior frequência nas dobras do corpo, como virilha e axilas, mas também podem ocorrer em diversas outras regiões do corpo por uma série de motivos.

Falaremos sobre como prevenir os desagradáveis pelos encravados, além de algumas dicas e informações que serão úteis para que você possa se manter bonita sem ter de passar por esse problema.

O que é o pelo encravado e como surge?

O pelo encravado, geralmente, é um pelo que, ao invés de crescer para fora da pele, cresce dentro dela por fatores externos, como roupas apertadas, fricção de pele, cortes durante a depilação com lâminas entre outros fatores. O pelo encravado pode ser visto como algo corriqueiro ou um problema pequeno à primeira vista, mas pode acarretar em uma infecção maior e desenvolver um problema que, por vezes, só é solucionado com cirurgia.

Para evitar maiores transtornos futuramente, é sempre aconselhável tratar o pelo encravado logo no início.

O que fazer ao encontrar um pelo encravado?

O indicado é não mexer no local com os dedos ou unhas, visto que podem conter bactérias que podem levar a uma infecção se entrarem em contato com o local.  A melhor opção é não mexer e procurar deixar com que a situação se resolva de forma natural.

Caso ele não desencrave sozinho e comece a infeccionar, procure a ajuda de um dermatologista, para que possa lhe indicar um remédio.

Como evitar os pelos encravados?

 

A melhor forma é sempre prevenir. Veja algumas situações que provocam o aparecimento de pelos encravados e o que fazer para evitá-las:

  • Depilação com lâmina e cera quente fazem com que o pelo se curve ao ser removido, o que facilita o surgimento dos pelos encravados. Uma alternativa é a depilação com cera fria, que, ainda que seja mais dolorosa, tem uma incidência muito menor de ocasionar pelos encravados.
  • Se você costuma usar roupas bem apertadas, provavelmente tem ou teve casos de pelos encravados, pois as roupas fazem com que os pelos cresçam de forma errada. Procure usar roupas mais soltas e confortáveis, principalmente quando for praticar algum exercício físico ou se movimentar bastante.
  • Se os seus pelos corporais são mais crespos ou grossos, você tem uma predisposição maior a desenvolver os pelos encravados. Nesse caso, aconselha-se a procura a um dermatologista para que possa auxiliar. Uma dica é usar um esfoliante corporal potente duas vezes por semana.
  • Se você apresenta uma pele mais oleosa, também tem uma probabilidade maior de desenvolver esse problema, o que se deve ao entupimento dos folículos capilares. Procure realizar limpezas de pele e fazer esfoliações. Além de combater os pelos encravados, ajudarão a sua pele a se manter saudável e livre de impurezas.

Quais os tratamentos definitivos para os pelos encravados?

Se você apresenta pelos encravados com uma frequência acima do normal e com gravidade, o aconselhado é pesquisar tratamentos mais extremos, como o tratamento a laser, que impede de forma definitiva o crescimento dos pelos e evita os problemas constantes de pelos encravados.

Antes de procurar um tratamento mais extremo, lembre-se sempre de procurar um dermatologista que possa lhe orientar sobre a melhor forma de tratar e combater os pelos encravados.

Confira o vídeo que separamos para você sobre o assunto:

?Depilação: quais os tipos existentes??

Uma das grandes preocupações da mulher moderna é a depilação. Seja pensando sobre os métodos, os resultados e até mesmo sobre o quão socialmente impositiva ela pode ser. De um jeito ou de outro, cedo ou tarde, toda mulher acaba tocando no assunto.

Mostraremos a seguir os métodos mais utilizados para se livrar dos pelos corporais e também a razão de algumas mulheres simplesmente optarem por não fazê-lo.  Além disso, abordaremos as consequências que esses debates causam na vida cotidiana.

Quais são os principais tipos de depilação?

Como você provavelmente sabe, a depilação consiste no processo de remoção de pelos corporais, seja pensando na higiene quanto na questão estética. O processo de depilação, assim como diversos rituais de beleza cotidianos, passou por diversas mudanças, porém, ainda nos dias de hoje, espera-se que as mulheres sempre depilem as pernas e a região íntima.

Dentre as diversas formas de depilação, as mais comuns e utilizadas são as seguintes:

Depilação utilizando uma lâmina: geralmente feito durante o banho, esse tipo de depilação está entre os mais comuns e consiste em utilizar lâminas específicas para depilação, similares às lâminas de barbear utilizadas pelos homens, para a remoção dos pelos. A principal vantagem desse processo é a facilidade, além de não ser necessária a ajuda de nenhum profissional, o que, por sua vez, faz com que seja um dos métodos mais baratos. A principal desvantagem é que tem de ser feita continuamente, além de ter grandes chances causar irritações na pele. Também há a possibilidade de causar cortes e o surgimento de pelos encravados.

Depilação utilizando um aparelho elétrico: esse método é indicado para mulheres que tem o dia muito corrido e que não tem tempo para demorar no banho com a depilação com lâminas. A duração é menor, mas é bem mais prático, principalmente para a região das pernas, que precisam estar lisas quando se usa saia. As desvantagens consistem no preço, que geralmente é elevado, e também a chance de provocar pelos encravados.

Depilação usando cremes depilatórios: Os cremes depilatórios utilizam um processo químico para a remoção dos pelos, afinando-os já no próximo crescimento, diferente dos métodos anteriores que são mecânicos. A maior vantagem dos cremes depilatórios é que não existe a possibilidade de cortes nem dor, mas em contrapartida podem causar irritações e alergias na pele, além de ter um tempo específico de aplicação e também o cheiro, o que torna esse método indicado apenas para situações que não sejam urgentes.

Depilação usando cera: Esse método é um dos mais conhecidos, por ser mais eficiente e durar mais tempo que os outros. Ainda assim, também apresenta seu lado negativo com a possibilidade de entupir os poros e causar pequenos ferimentos. Isso sem falar da dor na hora da remoção dos pelos.

Depilação usando laser: Esse tipo de depilação é algo mais definitivo, uma vez que impede os pelos de crescerem novamente. É o método mais caro e demorado dentre todos os que estão à disposição atualmente, no entanto, tem a vantagem de encerrar de uma vez por todas o crescimento de pelos.

Afinal, nós somos obrigadas a nos depilar?

Essa questão tem como origem a discussão sobre o fato da depilação feminina ser ou não uma imposição machista, afinal, os pelos corporais masculinos são muito mais bem aceitos socialmente.  Em contrapartida, há diversos exemplos de homens que se depilam, o que não afeta em nada sua masculinidade.

O recomendado é que você possa escolher entre se depilar ou não, qual método utilizar, levando sempre em consideração sua opinião própria do que é certo e do que deve ou não ser feito. O importante é que você se sinta bem com a sua decisão, seja ela qual for.

Confira o vídeo que separamos para você sobre o assunto:

?Foliculite: O que é? Quais as causas e tratamentos??

Sabe aquele quela sensação desagradável causada por pelinhos encravados? Ninguém merece, né? E, além a parte estética, que, convenhamos, é importante, o surgimento desses pelinhos também podem evoluir para algo maior chamado de foliculite. Bateu aquela dúvida? Ou então aquela preocupação? É só ler esse texto até o final que você vai aprender sobre o que é a foliculite, como identificar os tipos, como tratá-la e se ver livre desse incômodo.

O que é foliculite?

A foliculite é a inflamação ou infecção dos folículos pilosos,  que são as cavidades na pele onde os pelos nascem. De forma simplificada, é  quando ocorre a inflamação do pelo encravado.  Essa inflamação tem como causa as bactérias do tipo staphylococcus aureus, que se desenvolvem na pele devido ao excesso de umidade, como o suor, ou até mesmo devido à alguma lesão, como resultado de uma depilação.

O aspecto é de pequenas bolinhas avermelhadas e salientes, e podem ou não conter pus. O resultado é uma pele irritada e áspera ao toque.

Quais os tipos de foliculite?

Existem dois tipos de foliculite, a superficial e profunda. Ainda assim, dentro dessas classificações existem subtipos:

  • Foliculite superficial

É o mais comum dos tipos de foliculite e afeta somente a parte superior dos folículos pilosos. Dentro da classificação de foliculite superficial, os subtipos são:

Foliculite Estafilocócica

Esse tipo ocorre quando é infectado por bactérias staphylococcus aureus, comumente chamadas de estafilococos. Ela surge em qualquer região do corpo que tenha pelos e causa coceira e pus nos folículos. No caso dos homens, esse tipo de foliculite também pode afetar a barba, sendo nesse caso também chamada de “coceira do barbeiro”. Nesses casos apresentados, não indicamos que a área seja raspada ou depilada, pois pode ferir ainda mais o local já irritado. O tratamento, geralmente, é feito com antibiótico tópico (pomadas ou sprays) ou oral (comprimidos).

Foliculite por pseudomonas (também chamada de foliculite da banheira quente)

Esse tipo é causado por bactérias chamadas pseudomonas aeruginosa e é chamada comumente de foliculite da banheira quente porque é o lugar mais propício para que essas bactérias se proliferem: ambientes aquáticos onde os níveis de cloro e o Ph da água não são muito bem regulados. Os sintomas, geralmente, são os mesmos: erupções avermelhadas na pele que coçam e apresentam pus. O tratamento é feito com loções que aliviam a coceira, aplicadas diretamente nos lugares afetados.

Pseudofoliculite da barba

Esse tipo de foliculite se desenvolve nos homens, na região em que a barba cresce. Acontecem quando os pelos raspados, ao invés de crescer normalmente para fora e seguir o caminho natural, se curvam e crescem dentro da pele, o que causa inflamação no local. Para evitar esse tipo de foliculite, é indicado que os homens tomem um cuidado especial na hora de se barbear, usando sempre água morna, para ajudar a abrir os poros e facilitar o barbear, e massageando a região, aplicando uma loção hidratante na sequência.

Foliculite Pitirospórica

Essa foliculite também ocorre nos homens e tem como causa um fungo que se desenvolve geralmente nas costas e no peito. A aparência é a mesma que a da barba, porém sem pus. Nesse caso, trata-se com antifúngicos tópicos ou orais.

  • Foliculite profunda

Essa é mais rara que a foliculite superficial que vimos anteriormente, e acontece quando há uma complicação da foliculite superficial. Os tipos são:

Sycosis barba

Também surge na região da barba e além disso no lábio superior, na mandíbula e também queixo. A causa é também o pós barbear, e também pode ocorrer se o barbear é feito de forma muito frequente. O indicado nesse caso é fazer um tratamento com o uso de compressas locais ou também antibiótico.

Foliculite gram-negativo

Nesse caso, a foliculite se dá com o surgimento de bactérias gram-negativas que se desenvolvem na região do nariz devido ao uso de antibióticos por períodos longos, geralmente durante algum tratamento de acne. Se o uso do medicamento for interrompido, a foliculite irá desaparecer gradativamente. Caso o tratamento não possa ser interrompido, a alternativa é procurar medicamentos que possam ser aplicados no local.

Furúnculos e carbúnculos

Nesse caso, surgem inflamações que incham bastante, são avermelhadas e febris (calor na região), e tem como causa a infecção pelos estafilococos. Também apresentam pus, o que contribui para o inchaço da região e deixa-a dolorida. Já os carbúnculos ocorrem quando muitos furúnculos se formam bem próximos, o que faz com que a infecção seja ainda mais profunda. Nesses casos, geralmente ficam cicatrizes na pele. Os locais em que são mais comum de se desenvolverem são as costas, as coxas, a parte de trás do pescoço e os ombros. Se for um furúnculo apenas, a solução é drená-lo através de uma pequena incisão. No caso dos carbúnculos, além da incisão, é provável que também seja necessário o uso de antibióticos.

Foliculite eosinofílica

Esse tipo causa manchas inflamadas na pele, que são feridas que coçam e apresentam pus, geralmente no rosto, mas também podem ocorrer nos braços. Geralmente as áreas em que esse tipo de foliculite se desenvolve ficam mais escuras que o restante da pele. O tratamento desse tipo de foliculite é feito com o uso de corticoides e, em casos mais graves, a medicação oral também é utilizada.

Quais as causas da foliculite?

Assim como existem diversos tipos de foliculite, suas causas também variam, no entanto, as mais comum são: Pequenas lesões durante o barbear, o atrito que as roupas muito apertadas causam, o excesso de suor (transpiração excessiva), condições em que sua pele já tem pré-dispocição inflamatória, como nos quadros de acne e dermatite, lesões ou feridas em decorrência de cirurgias, curativos ou adesivos de material plástico aplicados na pele, resistência a infecções reduzidas devido a condições de saúde como diabetes, transplante de órgãos, leucemia crônica e também infecções por doenças autoimunes, obesidade, casos em que a pessoa se expões frequentemente à água quente e também podem ser causadas devido a alterações hormonais.

Quais são os sintomas da foliculite?

Como já vimos anteriormente, os sintomas variam. No caso da dermatite superficial, os mais corriqueiros são: pequenas espinhas avermelhadas, podendo ou não apresentar pus, vermelhidão e inflamação na pele e também coceira e sensibilidade na região.

No casos de foliculite profunda, os sintomas são: manchas vermelhas em áreas maiores, lesões com inchaço e que apresentam pus amarelado, áreas da pele doloridas e com grande sensibilidade, e também dor intensa.

Como posso evitar a foliculite?

Considerando os tipos de foliculite em que você pode controlar, as dicas são: evitar roupas apertadas, especialmente durante o calor, ter um cuidado especial durante o barbear ou a depilação, tomando o cuidado de sempre hidratar a pele da região e também pegar leve nos remédios para acne.

Quais os remédios para tratar a foliculite?

Geralmente em casos de foliculite superficial, o problema desaparece antes que seja necessário o tratamento através de remédios. Caso a inflamação persista, os remédios indicados são: Bactroban, Ceclor, Cefadroxila, Cefalotina, Ceftriaxona Sódica e Dissódica, Ciprofloxacino, Cipro, Claritromicina, Clindamin C, Clocef, Dicloxacilina via oral, Doxiciclina, Mupirocina de uso tópico e Oxacilina.

Vale frisar que os remédios devem sempre ser tomados apenas sob prescrição médica. Considere consultar um profissional da área para melhor avaliação.

E aí, gostou da matéria? Que tal conferir esse vídeo que selecionamos sobre o assunto?

You cannot copy content of this page